Domingo, 13 de Abril de 2008

Por que alguns casamentos fracassam?


No início, no primeiro encontro, um olhar, um flerte, um calor no coração. A seguir, o breve ou longo tempo de namoro, a cortesia e a atenção são constantes, deixando ambos “embriagados” pelo amor. Aproxima-se o noivado, depois os preparativos para o casamento; a ansiedade pelas cerimônias civil e religiosa e a lua-de-mel são os pontos marcantes. Este é o início do novo lar.

Passam-se dois meses, 1 ano, 5, 10 ,15, 30 anos. De repente, a mulher que aquele homem conheceu já não é mais a mesma, nem o homem que ela amou é mais aquele “príncipe encantado”. A balança pende e o fiel oscila de um lado a outro. Separação e divórcio deixam marido e mulher em situações diferentes e os filhos sofrendo; o fogo do amor queimou diferente, deixando dilacerado o coração que amara e lutara por uma vida a dois.
Por que fracassam muitos casamentos? Por que tantos casais permitem que a  discórdia divida aquilo que Deus juntou?
Muitos lares se desfazem devido à imaturidade de um dos cônjuges. A expressão “o amor é cego” muitas vezes impede a felicidade de um lar. Um dos cônjuges tem melhor preparo que o outro e, com isso, o desequilíbrio gera problemas. Além disso, muitos encaram o casamento como sendo uma aventura sem responsabilidades.
O erro, aliado ao medo, torna-se decisivo para o fracasso do matrimônio.
Outro fator que destrói um relacionamento é o egoísmo. Muitos maridos querem ver em suas esposas aquela mãe que os mimava e lhes fazia todas as vontades. Tal atitude é um perigo para o casamento; pode gerar discussões e até um trauma psicológico.
Muitos casais também confundem o significado das palavras ciúme e zelo. Zelo é a preocupação de um para com o outro e é dever dos cônjuges; ciúme é sinal de que a situação não vai bem, pois surge quando há carência de amor em um dos lados.
O cônjuge causador do problema se dedica, às vezes, mais aos outros ou até mesmo às coisas materiais do que à pessoa amada.
Num casal cristão, o problema mesmo é a falta da presença do Espírito Santo na vida de ambos. Em Provérbios 6:34 está escrito que “o ciúme excita o furor...” .
Diante de problemas, o casal deve sempre buscar soluções de Deus, através da oração e da compreensão mútua. Alguns preceitos básicos, entretanto, precisam ser observados.
Os cônjuges, por exemplo, não devem ter muita  familiaridade com pessoas do sexo oposto. O marido deve ser o cabeça da família, amando e protegendo a sua mulher, que será o coração do lar, amando e obedecendo, no Senhor ao seu esposo. Ambos precisam ter uma meta digna para a vida presente e lutar juntos para alcançá-la.
Marido e mulher têm que entender que não são senhores entre si, reverência e respeito,  cumprindo mutuamente o privilegio conjugal. Quando surgirem desavenças, conservem ambos a fé, a paciência e, sobretudo, a esperança.

Bp Macedo
publicado por paulocsm às 09:44
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Músicas do Renato Suhett ...

. Ouça Boas Músicas com Men...

. A "casa" de DOIS BILHÕES ...

. Foto IURD Nashville - Ten...

. Testemunho Renato Suhett ...

. Para Reflexão: A Bolacha

. Para Reflexão: A casa que...

. Para descontrair - Salmo ...

. O que fazer para ser Bem ...

. Foto IURD Filipinas

.arquivos

. Maio 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds