Sexta-feira, 11 de Abril de 2008

A Balsa de Medusa - Vale a pena ver.


A balsa de Medusa, mostra a reação de várias pessoas diante do mesmo problema... É uma apresentação que fiz no Power Point. Vale a pena baixar. Se antes, quiser ler mais sobre a história verídica desse acontecimento, está ai:




Antes do Titanic, houve um naufrágio que, tragicamente, entrou para os anais dos grandes desastres marítimos.
Foi a notícia mais terrível de 1816: a fragata Medusa nau­fragara quase no fim da sua viagem entre a França e o Senegal.


A tragédia, ocorrida na ensolarada manhã de 2 de julho, deveu-se à superlota­ção e à imperícia do Comandante Hugues Chaumareys, um protegi­do de Luís XVIII, rei da França.
Sabe-se que aproximadamente quatrocentos passageiros estavam à bordo, na então considerada a mais rápida e moderna embarcação de todos os tempos.

As 147 pessoas que não conseguiram lugar no botes salva-vidas amontoaram-se em uma pequena jangada construída precariamente com tábuas, cordas e partes do mastro no qual ainda tremulavam pedaços da vela.
Chamaram-na "A balsa da Medusa".

Esfomeados e sem água para beber, muitos brigaram por um único pacote de biscoitos.
Na escuridão da primeira noite, vinte dos que se equilibravam nas bordas da jangada desapareceram no oceano.
No segundo dia, 65 dos sobreviventes foram mortos a tiros pelos oficiais: aparentemente haviam enlouquecido e, furio­sos, tentaram destruir a jangada.

Dentre os náufragos famintos, desidratados e queimados pelo sol, estava o médico Jean-Baptiste Henry Savigny, que assumiu a liderança dos desesperados e, de imediato, mandou que to­dos bebessem água do mar diluída com urina, para diminuir os efeitos da desidratação.
O Dr. Savigny começou, então, a dissecar os corpos dos que iam morrendo e a dependurar as tiras de carne para secar ao sol e depois serem consumidas como alimento.
O tabu do canibalismo desfez-se como nas palavras de Dante, no canto XXXIII do Inferno, ao descrever a cena em que o Conde Ugolino, preso numa torre, com os seus filhos pequenos e sem alimento, tentou manter-se vivo comendo a carne dos que haviam morrido: “Dois dias após a sua morte ainda os chorava, depois a fome foi mais forte do que o luto.”

Decorridos 13 dias à deriva, os quinze sobreviventes restantes da “Balsa da Medusa” foram resgatados pelo Argus, um pequeno navio mercante.

Inspirado nas narrativas dos sobreviventes da “Balsa da Medusa”, o pintor francês Théodore Géricault (1791-1824), pintou, em 18 meses de trabalho ininterrupto, o que veio a ser a sua obra prima, em óleo sobre tela: “A balsa da Medusa.”

CLIQUE AQUI PARA FAZER O DOWNLOAD (Se quiser ver a apresentação direto, renomear o arquivo para .pps)

publicado por paulocsm às 10:06
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Músicas do Renato Suhett ...

. Ouça Boas Músicas com Men...

. A "casa" de DOIS BILHÕES ...

. Foto IURD Nashville - Ten...

. Testemunho Renato Suhett ...

. Para Reflexão: A Bolacha

. Para Reflexão: A casa que...

. Para descontrair - Salmo ...

. O que fazer para ser Bem ...

. Foto IURD Filipinas

.arquivos

. Maio 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds